… à boleia por Kangding, Tagong e Sertar

E por um mal entendido entre mim e os taxistas de Litang, em resultado da minha fraca pronúncia chinesa e do reduzido conhecimento demonstrado pelos tibetanos em relação ao mandarim, acabei ir parar a Kanding, próximo de Garzé, em vez de Ganzi… em vez de rumar a Norte vi-me a caminho de Chengdu, na direcção Este, obrigando-me a passar uma noite na desinteressante cidade de Kanding.

Mas como sempre, mesmo as contrariedades e os desapontamentos trazem acontecimentos que se estivermos receptivos a aceitar, se tornam positivos: e assim, no hostel onde me refugiei encontrei dois chineses que em férias escolares andavam à boleia pela região Oeste de Sichuan.

E assim começou uma agradável aventura de três dias pela região de Kangding, que nos levou, em função das boleias que apanhávamos, até às colinas verdejantes de Tagong, ao sky burial perto de Luhuó e à incrível cidade-mosteiro de Sertar.

A generosidade chinesa foi bem evidente nestes dias, com inúmeros veículos a parar para nos oferecer boleia, com excepção dos camiões aos quais está interdito transportar estrangeiros, disponibilizando-se para nos arranjar espaço mesmo quando o carro aparentemente ia quase cheio, oferecendo-nos água e comida e parando junto a templos, mosteiros ou locais que proporcionam boas vistas sobre as paisagens desta região, onde a presença tibetana é evidente e a religião budista está bem presente pelas inúmeras stupas e bandeiras de orações que se evidenciam no topo das colinas.

Fácil, fácil andar à boleia pela China, mas é praticamente indispensável falar a língua ou viajar na companhia de chineses!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Distrito de Kangding

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mosteiro no Distrito de Kangding

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Cidade de Luhuó

v

Luhuó
Tagong

Luhuó
Tagong

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Luhuó
Sertar

Tibetan High-way: Estrada G318 que liga Chengdu a Lhasa e que é a rota mais popular para quem visita o Tibete, em especial entre os muitos chineses que efectuam este percurso mais de 2000 quilómetros, de carro, de bicicleta e por vezes a pé.
Tibetan High-way: Estrada G318 que liga Chengdu a Lhasa e que é a rota mais popular para quem visita o Tibete, em especial entre os muitos chineses que efectuam este percurso mais de 2000 quilómetros, de carro, de bicicleta e por vezes a pé.

Kangding
Kangding

Xinduqiao
Xinduqiao

Xinduqiao
Xinduqiao

Paragem na estrada perto de Xinduqiao, enquanto se espera por nova boleia...
Paragem na estrada perto de Xinduqiao, enquanto se espera por nova boleia…

Tagong Grasslands
Sertar

Itinerário dos possíveis percurso para chegar a Lhasa; este género de autocolantes que decoram muitos dos veículos da região fazem com que a viagem pelo Tibete se pareça com um rali, sobressaindo o espírito de aventura com que os Chineses encaram esta viagem... um pouco como a descoberta da "ultima fronteira"!
Itinerário dos possíveis percurso para chegar a Lhasa; este género de autocolantes que decoram muitos dos veículos da região fazem com que a viagem pelo Tibete se pareça com um rali, sobressaindo o espírito de aventura com que os Chineses encaram esta viagem… um pouco como a descoberta da “ultima fronteira”!

Tagong Grasslands
Tagong Grasslands

Muito mais que uma boleia, este ex-monge tibetano durante 17 anos, levou-nos a conhecer a região, mostrando paisagens, mosteiros, levando-nos a assistir a um sky burial, pagando refeições e alojando-nos no seu hotel... uma incrível generosidade!!
Muito mais que uma boleia, este ex-monge tibetano durante 17 anos, levou-nos a conhecer a região, mostrando paisagens, mosteiros, levando-nos a assistir a um sky burial, pagando refeições e alojando-nos no seu hotel… uma incrível generosidade!!

Deixar uma resposta