China: epílogo

O que ficou da China?… um país moderno e organizado, onde uma revolução apagou referências culturais e religiosas e onde um regime ditatorial continuam a dominar e a manipular a vida e a forma de pensar dos cidadãos, onde a liberdade e o acesso à informação é controlado mas onde o consumo é incentivado deixando para trás os ideias socialistas.

Um pais onde tudo é novo, quase novo ou pouco antigo; onde se constroem zonas “antigas” em cidades modernas de ortogonais e amplas avenidas. Um pais onde a gastronomia é levada muito a sério, e onde cada refeição é um desafio ao paladar.

Um país onde, comparando com os seus vizinhos asiáticos, salta à vista a população idosa e o número de filhos únicos, mas sobressai também o facto das mulheres estarem praticamente em pé de igualdade com os homens, em termos sociais e profissionais e onde a escolaridade abrange a vasta população.

Fica a memória da diversidade e da riqueza cultural dos diferentes grupos étnicos que orgulhosamente perpetuam costumes e tradições.

Fica também a coragem e o orgulhos dos tibetanos em manter a sua identidade cultural e religiosa, apesar da pesada presença chineses, mantendo viva a língua e as tradições, ostentando as tradicionais roupas, mostrando-se numa postura orgulhosa e destemida que assenta bem nos seus corpos robustos e rostos de traços duros, onde facilmente surge um amigável e curioso sorriso.

Fica a memória de um país onde a população, à primeira vista pouco afável, se mostra calorosa e acolhedora, generosa e hospitaleira, quando dificilmente é vencida a barreira linguística

Um país vasto e interessante mas onde a previsibilidade, as regras de boa conduta social e a forçada moderação não deixam surgir a paixão que outros locais despertam.

Adeus China
Adeus China

Deixar uma resposta