Madurai

A cidade de Madurai ficou um pouco aquém das espectativas que tinha, criadas com base numa descrição que menciona Madurai com uma das mais antigas cidades da Índia, em que o centro histórico se desenvolve em ruas, dispostas ortogonalmente em torno de um vasto complexo de templos hindus.

De facto assim é, mas como em praticamente todas as cidades indianas, os edifícios que se encontram nesta zona, são modernos, degradados e sem qualquer harmonia arquitectónica, com excepção de um certo respeito pela volumetria, que lhes limita a altura, de certo para não interferir com o panorama geral da cidade, onde se destacam as torres do templo.

Contudo a visita ao templo, logo pelo início da manhã, foi surpreendente e fez esquecer a má impressão deixada pela cidade. Por fora parece somente um alto e robusto muro, que forma um quadrado de onde sobressaem quatro torres, correspondem as quatro entradas no templo, orientadas segundo os pontos cardeais, totalmente cobertas de estátuas com referências a mitologia hindu, e pintadas em garridas cores.

No interior, depois de cruzar nova barreira de muros, encontram-se organizados de forma complexa e intricadas os vários altares dedicados a Shiva e à sua consorte, a deusa Menakshi, uma das formas com que Parvati surge na mitologia hindu; os mais importantes destes locais de culto estão interditos a não-hindus.

A maior parte dos edifícios que constituem este templo foi construída entre os séculos XVI e XVIII, mas existem construções anteriores a este período que foram incorporadas no conjunto.

A visita ao templo está sujeita a rigorosos procedimentos, que obrigam à revista de malas e roupa por forcas de segurança, e que impedem a entrada de máquinas fotográficas. Aproveitei os dias que estive em Madurai e fiz várias visitas ao templo, para tentar captar no papel algo do ambiente que aqui se vive e aproveitando para observar calmamente os ritos, saboreando os sons e os cheiros que impregnam as várias salas que compõem o vasto templo.

O início da manhã é a melhor altura para uma visita, onde o ambiente é mais calmo e ainda se pode sentir o ar fresco e sentir sob os pés a textura polida das pedras graníticas que cobrem o chão, quando ainda não aqueceram sob a passagem dos milhares de peregrinos que diariamente visitam este templo.

O templo fervilha de uma actividade constante, onde pela primeira vez na Índia senti uma verdadeira religiosidade e devoção por parte dos visitantes indianos e dos sacerdotes que auxiliam nas cerimónias do puja. Por todo o interior do templo, mantido numa semiobscuridade, ouvem-se permanentemente os mantras e os cânticos acompanhados pelo som de campainhas, convidando a reflexão.

À saída, aproveitando a tradição do “prasad” de comer algo após a visita e as orações feitas no templo, comi um ladoo, que é um dos doces que se encontra com muita facilidade, tanto no norte como no sul do país. Assim, terminei a visita ao templo, empanturrada com uma bola feita a base de açúcar, envolvido em farinha de grão e ghee (manteiga clarificada) e aromatizada com cardamomo.

Madurai
Madurai
Templo de Menakshi em Madurai. Torre norte
Templo de Menakshi em Madurai. Torre norte
Madurai. Templo de Menakshi
Madurai. Templo de Menakshi
Templo de Menakshi em Madurai
Templo de Menakshi em Madurai
Venda de grinaldas de flores que são usados para decoração da imagens nos templos, em casa e mesmo nos autocarros
Venda de grinaldas de flores que são usados para decoração da imagens nos templos, em casa e mesmo nos autocarros
Templo de Menakshi em -madurai
Templo de Menakshi em -madurai
DSC_1049
Uma das tradições que ainda se vê frequentemente por toda a Índia consiste em pintar de negro o contorno dos olhas das crianças mais pequenas, assim como fazer pequenas marcas, semelhantes a sinais, por cima dos olhos ou nas bochechas, com o intuído de afugentar algum mal que possa ser atraído às crianças em resultado da atenção que recebem dos adultos.
Entrada norte no templo de Menakshi em Madurai, com um pequeno bazar de artigos religiosos
Entrada norte no templo de Menakshi em Madurai, com um pequeno bazar de artigos religiosos
Madurai
Madurai

Madurai é também conhecida pela produção de têxteis, em especial de algodão, proliferando por toda a cidade lojas de venda de dhotis, lungis, sahees e mais uma grande variedade de panos que são usados com os mais diversos fins, que que acompanham frequentemente os indianos, seja à volta do pescoço para enxugar o suor, para colocarem no chão antes de se sentares ou mesmo deitarem… acho que se pode dizer que os panos estão presentes no estilo de vida tradicional indiano, sendo a peça base do sahree também um longo pedaço de pano, assim como os dhotis e os lungis usados pelos homens no sul da Índia, à volta da cintura.

Numa das deambulações pela cidade encontrei por acaso um loja, onde ainda se vendem panos e toalhas, fiadas e tecidas em teares manuais, que são resquícios de uma filosofia do Gandhi que incentivou a população a produzir localmente e à escala doméstica os seus produtos resultantes do algodão, fazendo proliferar inúmeras manufacturas que escoavam os seus produtos nestas lojas. Uma verdadeira relíquia tanto pelo espaço em si como pela persistência da ideia que resiste à industrialização e ao crescimento económico que a Índia actualmente regista.

DSC_1010
Uma das loja ainda existentes resultantes de uma campanhã promovida pelo Gandhi para a venda de têxteis produzidos de forma tradicional
DSC_1009
Interior da loja que encontrei numa das deambulações pela cidade de Madurai
DSC_1003
Dentro da loja é como o tempo tivesse parado. Como se nada tivesse mudado desde os anos 40… toda a informações estava escrita em tamil, tendo a comunicação com a senhora responsável pelas vendas sido feita por gestos e algumas palavras em inglês referentes à quantia a pagar

Na parte norte do templo encontra-se um outro edifício cujo estilo e arquitetura é muito semelhante à dos templos principais mas que atualmente alberga um mercado onde cada corredor é dedicado a uma específica actividade: venda de livros, artigos de metal, e outra de artigos religiosos. Sobressai o corredor dedicado aos alfaiates, onde inúmeras cubículos se transformam em lojas forradas do chão ao tecto com tecidos de corres garridas, sedas e algodões, cada qual com o seu alfaiate que sentado em frente, costura as encomendas, trabalhando numa penumbra que dificulta a visão mesmo a que quem está de passagem. Trata-se de uma actividade inteiramente masculina, e as poucas mulheres que se encontram nesta zona de alfaiates não executam trabalhos de costura.

Aqui podem-se encomendar peças de roupa que ficam prontas de um dia para o outro, sendo estes alfaiates especialista em fazer cópias de roupa com base em exemplares levados pelos clientes, muitas vezes estrangeiros, sendo somente necessário escolher o tecido e regatear o preço, tarefa que pode levar algum tempo até se conseguir fechar o negócio satisfazendo as duas partes.

(este texto data de Julho de 2013)

Uma das lojas de alfaiates existentes no edificio localizado na parte do Templo de Menakshi
Uma das lojas de alfaiates existentes no edificio localizado na parte do Templo de Menakshi
Edificio localizado na parte do Templo de Menakshi que funciona como mercado
Edificio localizado na parte do Templo de Menakshi que funciona como mercado
Parte de um edificio junto ao tempo que serve para armazenamento de mercadorias
Parte de um edificio junto ao tempo que serve para armazenamento de mercadorias
Mercado de flores em Madurai
Mercado de flores em Madurai

Hotel Pearls

95 ,West Perumal Maistry Street

Madurai

[email protected]

+91 99442 32066

www.hotelpearls.com

quarto duplo, com casa de banho: 825 rupias

“a home away from home”… um slogan usado em muitos dos hotéis na Índia… nem sempre correspondendo a realidade… neste caso, apesar de não ter encontrado nenhum ambiente familiar ou acolhedor, deparei-me com um quarto impecavelmente limpo, espaçoso e com boas condições.

Do Hotel Pearls onde fiquei alojada enquanto estive em Madurai, não tenho fotografias, mas esta corresponde ao Hotel Internacional, que até agora merece o título de maior espelunca, com uma casa de banho tão pequena que não havia espaço para o lavatório, com um chuveiro de onde somente saía um pequeno esguicho de água, um autoclismo que pingava a noite toda, um colchão feito de sacas de sarapilheira, janelas que não fechavam e deixavam entrar melgas... e uma generalizada sujidade da qual se salvavam honrosamente os lençóis e a almofada. Foi a opção para a primeira noite, numa cidade onde os preços dos alojamentos são significativamente mais elevados do que o que estava habituada a pagar.
Do Hotel Pearls onde fiquei alojada enquanto estive em Madurai, não tenho fotografias, mas esta corresponde ao Hotel Internacional, que até agora merece o título de maior espelunca, com uma casa de banho tão pequena que não havia espaço para o lavatório, com um chuveiro de onde somente saía um pequeno esguicho de água, um autoclismo que pingava a noite toda, um colchão feito de sacas de sarapilheira, janelas que não fechavam e deixavam entrar melgas… e uma generalizada sujidade da qual se salvavam honrosamente os lençóis e a almofada. Foi a opção para a primeira noite, numa cidade onde os preços dos alojamentos são significativamente mais elevados do que o que estava habituada a pagar.

Deixar uma resposta