Yangon revesitada

Somente três anos se passaram desde a minha última visita a Myanmar e muitas foram as mudanças neste país: em 2014, o governo militar que controlava o país desde 1962 foi afastado, e as primeira eleições democráticas deram uma vitória esmagadora à National League for Democracy, abrindo as portas para a eleição do primeiro presidente não-militar nos últimos 54 anos, donde resultaram profundas reformas políticas, económicas e sociais num país que conquistou novamente a liberdade de expressão. Aung San Suu Kyi, o rosto da luta pela liberdade, pelos direitos humanos e pela democracia em Myanmar está um pouco por toda parte, mais visível do que nunca. O pai, Aung San, cuja figura estava impressa nas antigas notas de kyat, continua orgulhosamente a decorar as paredes das casas.

Apesar de todas estas mudanças, Myanmar ainda está longe de ser um país pacificado. Continuam os conflictos entre o exército e os grupos “rebeldes” nas colinas do estado de Shan, e as diferenças religiosas e étnicas são responsáveis pelo massacre da população Rohingya no estado de Rakhine, num país onde o budismo é a religião dominante e onde os monges exercem uma forte influência no governo de Myanmar.

***

Yangon... Where bodhi tree grows freely on the buildings, taking advantage of the wall cracks, softening the austerity of colonial British-style buildings
Yangon… onde pequenas árvores bodhi crescem espontaneamente nos edifícios, aproveitando as fissuras das paredes, suavizando a austeridade da arquitectura colonial

Mas todas estas mudanças não alteram o ritmo da antiga capital de Myanmar, noutros tempos chamada de Rangon… onde os edifícios de grandiosa arquitectura colonial Britânica mantêm o charme decadente, resultante de anos de negligência e falta de conservação…

…onde uma camada de bolor conquista lentamente o azul e o verde pálidos das fachadas dos prédios…

… onde pequenas árvores bodhi crescem espontaneamente nos edifícios, aproveitando as fissuras das paredes, suavizando a austeridade da arquitectura colonial…

… onde os pombos esperam pacientemente alinhados em cabos elétricos, junto a um esquina onde um vendedor de milho aguarda por clientes dispostos a criar bom karma, gastando algum dinheiro a alimentar as aves…

… onde todas as manhãs grupos de monges caminham descalços ao longo da cidade recolhendo donativos, tingindo a paisagem urbana com a característica de cor grená dos mantos…

… onde os mercados mantêm seu burburinho habitual, com o cheiro do peixe seco a mistura-se com o cheiro fermentado dos rebentos de bambu, e onde o som das vozes e dos pregões se sobrepõe às buzinas dos automóveis…

… onde videntes e astrólogos esperam os clientes à sombra de uma árvore, num país onde o budismo não apagou totalmente a superstição e as tradições animistas…

… onde ler o jornal é uma atividade quase obrigatória entre os homens, independentemente de religião ou grupo étnico…

… onde os condutores de rickshaw aguardam calmamente pelos raros clientes, indiferentes ao intenso movimentado da cidade, mastigando paan ou fumando um charuto…

… onde a comida de rua está presente em todos os lugares, seguindo um calendário preciso mas indecifrável, com um vendedor de parathas a desaparecer e a ser substituído por um vendedor paan num piscar de olhos…

… onde uma sinagoga está localizada a poucas centenas de metros de um templo budista, de onde se avista o minarete de uma mesquita do outro lado da rua, enquanto se ouve o som dos sinos vindos de templo hindu próximo…

… onde as casas de chá, herança da antiga presença chinesa no país, servem um chá com leite excessivamente adocicado, onde o som das vozes masculinas se dispersa com o movimento preguiçoso das ventoinhas de tecto…

… onde os sorrisos surgem facilmente em todos os rostos, revelando na maioria das vezes, dentes tingidos de vermelho pela noz de areca e pela folha de betel, sendo o mastigar do paan um vício nacional.

Yangon... where the smiles pop up easily from any faces revealing, most of the times, the teeth red dyed by the areca nut and the betel leaf, as chewing paan is a national addiction
Yangon… onde os sorrisos surgem facilmente em todos os rostos, revelando na maioria das vezes, dentes tingidos de vermelho pela noz de areca e pela folha de betel, sendo o mastigar do paan um vício nacional

Yangon... where the teahouses, remind us of the Chinese presence, a heritage of the Chinese presence in the country, serve an excessively sweetened milk tea mixed with the sound of the male chat, under the freshness of the lazy ceiling fans
Yangon… onde as casas de chá, herança da antiga presença chinesa no país, servem um chá com leite excessivamente adocicado, onde o som das vozes masculinas se dispersa com o movimento preguiçoso das ventoinhas de tecto

Yangon... here every morning monks walk along the city begging for alms, dyed the street with the maroon color
Yangon… onde todas as manhãs grupos de monges caminham descalços ao longo da cidade recolhendo donativos, tingindo a paisagem urbana com a característica de cor grená dos mantos

Yangon... where the rickshaw drivers wait quietly indifferent to the busy traffic of the city, chewing paan or smoking a cigar.
Yangon… onde os condutores de rickshaw aguardam calmamente pelos raros clientes, indiferentes ao intenso movimentado da cidade, mastigando paan ou fumando um charuto

Yangon... where the street food is present everywhere, following a precise but indecipherable schedule, with a paratha stall vanish and replaced by a paan hawker in a blink.
Yangon… onde a comida de rua está presente em todos os lugares, seguindo um calendário preciso mas indecifrável, com um vendedor de parathas a desaparecer e a ser substituído por um vendedor paan num piscar de olhos

Yangon... where the pigeons wait patiently aligned along electric cables, nearby a corner where a corn seller wait for customers that will come to create good karma feeding the birds
Yangon… onde os pombos esperam pacientemente alinhados em cabos elétricos, junto a um esquina onde um vendedor de milho aguarda por clientes dispostos a criar bom karma, gastando algum dinheiro a alimentar as aves

Yangom... Where fortune tellers and astrologers wait for customers on the shade of a tree, in a country where the Buddhism didn’t erase totally superstition and the animist traditions
Yangom… onde videntes e astrólogos esperam os clientes à sombra de uma árvore, num país onde o budismo não apagou totalmente a superstição e as tradições animistas

Yangon
Yangon… tea shop improvisada à entrada de uma loja, que após as primeiros horas da manhã desaparece misteriosamente sem deixar rasto

Yangon definitivamente é uma cidade que seduz e cativa, onde diferentes culturas, etnias e religiões partilham pacificamente o mesmo espaço.

Yangon... multiethnic and multicultural and multireligious
Yangon… uma cidade multicultural, multiétnica e multireligiosa

Deixar uma resposta